segunda-feira, 1 de maio de 2017

Lula amplia liderança em nova pesquisa do Datafolha


Por Gabriela Mello


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ampliou liderança em cenários possíveis para a eleição presidencial de 2018 na primeira pesquisa de intenção de voto feita pelo instituto Datafolha após a divulgação de detalhes da delação da Odebrecht, enquanto o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) avançou nas intenções de voto, com chances de chegar ao segundo turno. 

Conforme o levantamento publicado neste domingo no jornal Folha de S.Paulo, Lula lidera em todos os cenários aferíveis, oscilando entre 29 e 31 por cento das intenções de voto, apesar das menções de seu nome no noticiário recente da Lava Jato.

O deputado Jair Bolsonaro aparece em empate técnico em segundo lugar com a ex-senadora Marina Silva (Rede), superando o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador de São Paulo, Gerando Alckmim (PSDB).

No cenário em que Aécio é o candidato tucano, Bolsonaro subiu de 9 por cento na pesquisa realizada em dezembro para 15 por cento, e contra Alckmin subiu de 8 para 14 por cento.

O Datafolha entrevistou 2.781 pessoas em 172 municípios nos dias 26 e 27 de abril, antes da greve geral contra as reformas propostas pelo governo Temer.

Em disputa presidencial tendo o prefeito de São Paulo João Dória como candidato tucano, Lula ocupa a primeira posição, com 31 por cento, enquanto Marina teria 16 por cento, Bolsonaro 13 por cento e Dória 9 por cento.

O prefeito sobe para 11 por cento em um cenário sem o ex-presidente, em empate técnico em segundo lugar com Bolsonaro (14 por cento) e Ciro Gomes (PDT), que aparece com 12 por cento. Nos cenários sem Lula, Marina lidera com 25 por cento.

O instituto apurou ainda que o presidente Michel Temer é o mais rejeitado no primeiro turno: 64 por cento dos entrevistados não votariam nele. Lula aparece em segundo lugar, com 45 por cento, seguido por Aécio, que viu sua rejeição subir de 30 por cento para 44 por cento. Entre os demais tucanos, Alckmin agora é rejeitado por 28 por cento, ante 17 por cento na pesquisa de dezembro, e Dória por 16 por cento.

Fonte: Agência Reuters