segunda-feira, 3 de abril de 2017

VEJA O QUE MUDOU NO ROTATIVO DO CARTÃO E COMO EVITAR DÍVIDAS


Nesta segunda-feira (3) entra em vigor a nova regra para pagamento da fatura do cartão de crédito, onde o consumidor permanecerá no crédito rotativo apenas até o vencimento da fatura seguinte, não ficando preso ao pagamento mínimo por tempo indeterminado. Fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), após o anúncio da reforma microeconômica em dezembro do ano passado, a medida tem o potencial de reduzir pela metade os gastos com juros em 12 meses.

De acordo com o CEO da fintech de adquirência com base mobile KiiK, Maurício Valim, sempre que o consumidor entrar no crédito rotativo , após 30 dias o banco tem a obrigação de oferecer ao cliente um parcelamento do saldo devedor, além de também poder optar pelo pagamento à vista da fatura. 

“Caso o consumidor não escolha nenhuma das duas alternativas, correrá o risco de ficar inadimplente. A expectativa do governo é de que as taxas de juros caiam pela metade e o cliente fique por menos tempo no rotativo do cartão”, afirmou o especialista. 

Mudanças e medidas preventivas

Uma pesquisa divulgada em 2013 pelo instituto de pesquisa global Ipsos apontou o Brasil como o quarto País mais materialista do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia e Turquia.

Com a nova medida entrando em vigor, estima-se que o consumidor, antes envolvido na rolagem do pagamento da fatura do cartão sem ao menos perceber o quanto estava pagando de juros, tenha a possibilidade de negociação com bancos. Com isso, será permitido o estabelecimento de uma data para o fim da dívida.

Para Valim, uma alternativa viável diante a nova regra é que o cliente não faça novas dívidas no cartão até que tudo esteja sob controle. “Embora as novas regras ofereçam juros mais baixos que o rotativo, continua sendo uma dívida e o risco de se complicar financeiramente é sempre eminente. Ou seja, melhora, mas não resolve,” explicou.

Além disso, o cliente pode recorrer a um empréstimo para quitar a fatura ao invés de ficar apenas no pagamento mínimo. Contundo, é necessário ficar atento as condições do empréstimo a ser tomado."Volto a dizer que se deve ter consciência do quanto se ganha e com o quanto se gasta. A balança deve estar bem equilibrada para não gerar transtornos fazendo com que a pessoa caia na inadimplência e fique por muito tempo assolada em dívidas".
Fonte: Portal IG.