III BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DO AGRESTE

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Memórias de Garanhuns-PE (78): Jogador de Futebol Oséas José dos Santos

Oséas nos tempos de América.
Por Roberto Almeida    

Em 01 de fevereiro de 2008, faleceu o garanhuense Oséas José dos Santos. Oséas foi jogador de futebol e conquistou o título de Campeão Pernambucano pelo América. Exatamente o sexto e último título do clube recifense, que tinha sede na Estrada do Arraial, em Casa Amarela.

O América foi o "Campeão do Centenário", no dia 18 de fevereiro de 1945, mesmo ano em que terminou a segunda guerra mundial. O "mequinha" foi um clube grande, passou a força intermediária do nosso futebol e depois praticamente sumiu.

O time da década de 40, era praticamente imbatível, e o garanhuense Oséas era um dos craques dessa equipe.

Oséas jogou no América até 1949, foi pretendido pelo Botafogo do Rio de Janeiro e Portuguesa paulista, mas o clube não vendeu seu passe. Então voltou para Garanhuns de onde não saiu mais, chegando a recusar convites do Naútico e Sport. Aqui na terrinha, ainda atuou pela AGA até que se aposentou da  atividade com a bola.

Em abril de 2004, o Jornal do Commercio do Recife publicou uma reportagem de página inteira relembrando a época de glórias do América. Na matéria, foram destacados os maiores craques do time, como Julinho, Oséas e Leça. Este último era goleiro, jogou também Bahia, onde brilhou e chegou a ser lembrado numa música de Gilberto Gil.

"Ninguém ganhava pra gente não", afirmou Oséas, na reportagem do JC. Segundo ele, a bola passava de pé em pé e só parava dentro do gol. Neste tempo de glórias do América, o time de Casa Amarela chegou a dar uma goleada no Naútico de 10 a 1. Esse jogo foi bem antes da conquista do título do centenário. Na partida final do campeonato de 1944 o alvirubro voltou a ser vítima do "mequinha": perdeu por 3 a 0, tendo Oséas marcado um dos gols.

"Amanheceu muita gente bêbada. Rubem Moreira gastou um dinheiro danado. Ele era amigo do jogador. Era esporrento, mas era amigo", confessou Oséas na reportagem já citada. O Rubem Moreira que ele se refere foi presidente da FPF muitos, mandando no futebol pernambucano.

Nas décadas de 60 e 70, quando Naútico e Santa Cruz tiveram a hegemonia do futebol de Pernambuco, o campeonato tinha times como o Ferroviário, o Íbis, o Santo Amaro e o América. Desses quatro, só o último chegou a ser grande, a jogar pau a pau com Sport, Santa e Naútico. E só esse clube revelou um grande craque nascido em Garanhuns.

Oséas dos Santos partiu, mas deixou seu nome na história dos  esportes de Garanhuns e do Estado. Faleceu aos 86 anos.
Fonte: Jornal "Correio Sete Colinas" - Ano X Nº 232
Fevereiro de 2008.