III BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DO AGRESTE

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Memórias de Garanhuns (47): Jornalista, músico e professor Luis de Barros Correia Brasil

Luís de Barros Correia
Brasil.
Por Alfredo Leite Cavalcanti

Sem, que nos conste, curso escolar além do primário, porém reconhecendo o seu alto grau de inteligência, Luís de Barros Correia Brasil instruiu-se com leitura de obras de grandes autores, e assim conseguiu cultivá-la e tornar-se literato, jornalista, musicista e principalmente, orador, pelo que era chamado o Rui Barbosa de Garanhuns.

Em tempos passados, ouvimos de contemporâneos dos começos da sua adolescência, haverem-no surpreendido pronunciando discursos à frente de um espelho, com a finalidade de treinos de entonações e gesticulações. E assim sempre era o escolhido como representante da comunidade nas recepções às altas personalidades que aqui chegavam, como na do primeiro bispo desta Diocese, D. João Tavares de Moura, em outubro de 1919.

Como jornalista, colaborou, em prosa e verso, em quase todos os jornais que, no seu tempo, aqui circularam, principalmente na "A Pátria", assinando os trabalhos em prosa com o pseudônimo Leontino.

Principal fundador de Banda Musical 2 de Março, em 1902, era o seu regente, e tocava requinta ou qualquer instrumento de palheta e flauta. Também dedilhava o violão e, admirador das serestas, compôs letra e música de várias canções, uma das quais foi, Augusto Calheiros, gravada em disco da RCA.

Exerceu o cargo de professor estadual do curso primário, passando a exercer, em 1907, o de Tabelião de 1º Ofício e, no exercício de Prefeito Municipal, para qual foi eleito, como candidato de conciliação dos partidos políticos, em 09 de setembro de 1922. Foi prefeito de Garanhuns de 1922 à 1924. Faleceu em 23 de dezembro 1924, sem nunca haver se afastado da cidade natal.