sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Memórias de Garanhuns (07): Capitão Thomaz da Silva Maia

Capitão Thomaz da Silva Maia.
Por Cláudio Gonçalves de Lima

O Capitão Thomaz da Silva Maia, nasceu em Garanhuns. Era casado com Maria Campelo da Silva Maia, sendo filhos do casal: Pedro Maia, Deusdedit Maia, José Maia, Bety e Dinah.

Na política ocupou em vários momentos o cargo de Conselheiro Municipal.  

Na Hecatombe de Garanhuns, tentou apaziguar os ânimos dos correligionários exaltados e demover as pretensões de vingança aos opositores do coronel Júlio Brasileiro, mesmo tendo sido candidato a subprefeito na chapa Julista. Diante da inutilidade dos seus conselhos, se recolheu em sua mansão, localizada na  Vila Maria ou Rua do Açude (atualmente Rua Capitão Thomaz Maia), permanecendo durante todo aquele triste dia.

Mesmo com a confirmação da vitória do coronel Júlio Brasileiro em 07 de fevereiro de 1917, não chegou a assumir o cargo de prefeito de Garanhuns, pois foi preso sob a acusação de ter fornecido gasolina do seu cinema (Moderno) para que as casas comerciais dos adversários políticos de Júlio Brasileiro fossem queimadas. Averiguado o seu envolvimento, ficou provado que não havia saído nenhum material inflamável do cinema e do seu armazém, sendo inocentado, retornou ao aconchego da família e dos amigos em Garanhuns. 

Com o advento da promulgação da Constituição de 1934 e aprovação das eleições diretas para os governos municipais, o capitão Thomaz Maia foi eleito prefeito de Garanhuns, assumindo o cargo do seu antecessor Mario de Souza Matos, em 20 de agosto de 1936.

A sua administração foi marcada por dificuldades orçamentárias, apesar dos entraves financeiros, pela primeira vez a Avenida Santo Antônio recebeu calçamento, e outros pontos da cidade e dos distritos foram contemplados com melhoramentos na infraestrutura.

Capitão Thomaz Maia não conseguiu completar o seu mandato, pois foi deposto em novembro de 1937 após a instalação do Estado Novo, assumindo o interventor coronel João de Araújo Nunes.

Capitão Thomaz Maia participou de várias sociedade recreativas e culturais. Em sua mansão acontecia várias reuniões sociais e esportivas, numas dessas reuniões recebeu a embaixada da Associação Atlética do Recife, cujo presidente era o festejado poeta Pernambucano Osvaldo Santiago.

Em 04 de setembro de 1946, dez anos após ter sido prefeito de Garanhuns, faleceu o Capitão Thomaz Maia, sendo decretado nesse dia pelo prefeito Antônio Cesário da Silva Brasileiro Filho, luto oficial no município.