III BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DO AGRESTE

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Memórias de Garanhuns (03): Ruber van der Linden

Ruber van der Linden.
Nasceu em 28 de junho de 1896, filho de Joaquim van der Linden, o mais antigo guarda-livros da Cidade Serrana, também teatrólogo, nos fins do século XIX, escreveu peças dramáticas que foram levadas à cena por associações teatrais, tendo participado em 1895, do primeiro Congresso Literário, com Belarmino Costa Dourado e outros amantes das Belas Letras.

Ruber van der Linden era engenheiro eletricista, porém, múltiplas as suas atividades, excursionando no "mundo das letras", poeta e jornalista, penetrando na ilustração, a caricatura, além de atuação na arquitetura, desenho e construção, engenheiro mecânico e no Colégio XV de Novembro, professor de física, química, botânica e línguas, além de administrador de larga visão, são os títulos que lhe pertencem por ações diretas, pois em todos os citados setores atuou com proficiência, o que causa orgulho aos garanhuenses, manifestando amor ao que realizava e sempre procurando enaltecer a terra natal.

Em 1917, entrando na seara do jornalismo, Ruber com Amadeu de Aguiar fundaram o "Lúmen", continuando em outros periódicos a trajetória de escrever crônicas, poemas, artigos científicos, humorismo, etc. Colaborou no "Garanhuns" (1922), "Álbum de Garanhuns" (1923), "Revista de Garanhuns" (1930), "Diário de Garanhuns", "Garanhuns Diário", "O Bibliófilo", "Almanaque de Garanhuns" e em inúmeras outras publicações da imprensa matuta. Em 1925 organizou a Rádio Sociedade.

Na Cooperativa dos Cafeicultores prestou valiosa colaboração. No Rotary Clube na qualidade de sócio efetivo.

Durante vários anos no cargo de Gerente da Empresa de Água e Luz do Município. Com recursos próprios da mencionada Empresa, idealizou e implantou o "Pau Pombo", que hoje tem o seu nome "Parque Ruber van der Linden", considerando-o uma pequena reserva florestal, significando, sobretudo, um alerta para a defesa dos mananciais e a formação de uma área ecológica para o "ócio" dos homens após a estafante semana de trabalho e recreio destinado a gurizada. Faleceu em 1949.