III BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DO AGRESTE

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Memórias de Agrestina-PE (72): Frei Dimas José Marleno

Frei Dimas José Marleno.
Foto: http://blogodiaadiadarainha.blogspot.com.br/

Paróquia São Francisco de Assis - Riacho dos Cavalos/PB.

Aos 21 de setembro de 1939, nasceu na cidade de Agrestina no estado de Pernambuco, Fr. Dimas José Marleno. Seus pais eram católicos e desde criança já sentia o desejo de ser um sacerdote. 

Em 1950, ainda muito jovem ingressou no Seminário Capuchinho São Fidélis na cidade de Bom Conselho/PE. No dia 08 de dezembro de 1955, com apenas 15 anos de idade foi admitido ao noviciado e no dia 08 de dezembro de 1956 emitiu os votos religiosos.

Cursou Filosofia e Teologia e no dia 22 de fevereiro de 1964 foi ordenado sacerdote na Ordem dos Frades Menores Capuchinhos na Província do Nordeste do Brasil, na antiga Catedral de Caruaru/PE. Em seguida cursou a Faculdade de Direito, Pedagogia e Letras, além de vários cursos como Espiritualidade Franciscana em Petrópolis/RJ, História da Igreja na América Latina na cidade do México, Artes e Esculturas em Massa na Itália, Liturgia e Artes Sacras na Pontifícia Faculdade Nossa Senhora da Assunção em São Paulo.

Na Província ocupou diversas funções e encargos, tais como: Formador, Guardião e Ecônomo do Convento Sagrado Coração de Jesus em Maceió, Diretor da Escola Frei Caetano de Messina, em Bom Conselho, foi Definidor Provincial e Presidente da AMINE (Equipe de Animação Missionária do Nordeste),Pároco da Paróquia Nossa Senhora dos Remédios em Catolé do Rocha/PB, no período de 1983 a 1992, onde viveu o auge de seu Ministério Sacerdotal, foi guardião da Fraternidade Nossa Senhora dos Remédios, na mesma cidade. Nesta mesma época engajou-se na pastoral das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), formando em torno de 70 núcleos de comunidades e diversas pastorais, entre elas: CEBI, Pastoral da Criança, Consciência Negra, Pastoral da Mulher, Pastoral da Terra, Pastoral dos Sem-teto, Catequese Renovada, Pastoral da Liturgia, Pastoral dos Enfermos, Pastoral da esperança, Pastoral da Comunicação criando um Programa na Rádio Independência de Catolé do Rocha, chamado Jesus Sertanejo com a música de Luiz Gonzaga, ainda hoje, com grande audiência.

Fundou também o MEB (Movimento de Educação de Base) com o Método de Paulo Freire para alfabetização de Adultos com núcleos no município de Catolé do Rocha, Riacho dos Cavalos e Brejo dos Santos, além de vários projetos sociais, dentre os quais os de mais destaque: criação de bodes, cooperativa do banco de sementes para os agricultores com sede em Catolé do Rocha e a plantação de hortas comunitárias em Riacho dos Cavalos. Também foi um baluarte nos movimento dos trabalhadores, enfrentando as lutas com o povo como o foi o caso de Riacho dos Cavalos, onde foi o incentivador do assentamento dos sem-terra e sem-teto, nas terras improdutivas da Fazenda Estado, nas vazantes do açude público pertencente ao estado da Paraíba, o qual foi homenageado com o nome de assentamento Frei Dimas e posteriormente denominado de Mutirão. 

Frei Dimas também se destacou como artista plástico com mais 400 obras espalhadas por todo o Brasil. Foi o idealizador da torre de nossa Igreja Matriz e da construção da capela São José na Rua Nova. Fez várias romarias denominadas de Romaria da Terra saindo de Catolé do Rocha até a Serra do Lima em Patu/RN.

Na madrugada do dia 13 de outubro de 2014, faleceu no Hospital UNIMED na cidade de Caruaru/PE, deixando o legado de um cristão católico, religioso, sacerdote, formador, educador, artista, músico, teatrólogo e que soube viver a alegria de ser cristão, como ele mesmo dizia: Ser cristão é o maior dom que uma pessoa pode receber de Deus.