sábado, 14 de janeiro de 2017

Há Cem Anos Falecia o Coronel Júlio Eutímio da Silva Brasileiro

Coronel Júlio Brasileiro.
Por Cláudio Gonçalves de Lima

No dia 14 de janeiro de 1917 falecia tragicamente no Café Chile em Recife o deputado e prefeito eleito de Garanhuns coronel Júlio Brasileiro. Hoje completa cem anos desse episódio que marcou Garanhuns e a Capital Pernambucana.

Durante o período que foi prefeito de Garanhuns (1912 a 1913), apesar do curto período, Coronel Júlio Brasileiro deixou obras que ficaram registradas na política de Garanhuns. 

Coronel Júlio Brasileiro

O Tenente-Coronel Júlio Eutímio da Silva Brasileiro nasceu em Garanhuns em 30 de outubro de 1867, era o nono filho do casal Antônio Cesário da Silva Brasileiro e Maria Pinheiro da Silva Burgos, sendo os seus irmãos: Antônio Cesário, Leopoldina, Maria Leonila, Guilhermina, Manoel, César, Jacinta, Emília, Idalina, Olindina e Hermínia. Após a morte de Maria Pinheiro Burgos, o seu pai se casou com Mariana Ferreira Carneiro, resultando a seguinte prole: Eutíquio, Jesualdo, Dumouriez, Maria Palmeirina e Aurélia. 

Foi o seu avô Manoel Joaquim da Silva, residente em Recife, que em 1852 devido encontrar diversas pessoas com o mesmo nome e até um preso e processado, resolveu assinar a partir daquele ano por Manoel Joaquim da Silva Brasileiro. 

Depois que o seu pai Antônio Cesário Brasileiro decidiu residir com a família em Palmares, Júlio Brasileiro continuou na cidade se dedicando a atividade comercial e agrícola, tornando-se proprietário de uma das maiores fazendas da região, a fazenda Brasileiro, localizada no município de Brejão, contabilizando mais de um milhão de pés de café. 

Iniciou na política apoiando o partido do Dr. Luis Afonso de Oliveira Jardim, Juiz de Direito e chefe político de Garanhuns. Na eleição de 1911 para governador do Estado, apoiou juntamento com Antônio Souto Filho o General Dantas Barreto, se tornando dissidente do Jardinismo, consequentemente com a renuncia de Argemiro Miranda, na eleição de 30 de março de 1912 é eleito prefeito de Garanhuns com 1.128 votos, tomando posse em 22 de maio de 1912. 

Na sua administração deu inicio a arborização da cidade, o processo de eletrificação e água encanada e foi inaugurada duas estradas de rodagens partindo de Garanhuns, terminando uma em Correntes e a outra em Águas Belas. 

Concluído o seu mandato foi eleito Deputado Estadual em 1914. Como deputado estadual conseguiu a implantação do segundo telegrafo em Garanhuns, que ficava na Avenida Santo Antônio, o primeiro estava localizado na Estação Great Western (Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti). 

Em 10 de Julho de 1916 foi novamente candidato a prefeito de Garanhuns, numa eleição tumultuada, e de ameças por parte dos seus correligionários contra os seus concorrentes. Embora tenha sido eleito com 1.114 votos, a oposição derrotada contestou, pois o Coronel Júlio Brasileiro era inelegível, pois não poderia ser candidato a prefeito antes do termino do seu mandato de deputado. O Governador Manoel Borba numa manobra política marca uma nova eleição para 07 de janeiro de 1917, a oposição discordando do governo retira a candidatura dos doutores Rocha Carvalho e Borba Junior .