sexta-feira, 6 de maio de 2016

CENTENÁRIO DA HECATOMBE DE GARANHUNS (1917- 2017) - PERSONAGENS DA HECATOMBE: MANOEL ANTÔNIO DE AZEVEDO JARDIM

Cel. Manoel Jardim - Bico de Pena
do Artista Plástico Espedito Dias.
Por Cláudio Gonçalves de Lima

Manoel Antônio de Azevedo Jardim, nasceu em 1867, era casado com Angélica Aurora de Miranda Jardim, do casal nasceram Maria das Dores, Maria do Carmo e Luís Inácio de Miranda Jardim, que se tornaria um dos mais célebres escritores do país. 

Foi o 2º prefeito eleito de Garanhuns, obtendo na eleição 631 votos. Na sua administração que se estendeu de 1895 a 1898 criou a primeira escola pública do municipal para o curso primário, sendo a primeira professora dona Maria Jardim.

Na eleição para o mandato de 1901 a 1904 foi novamente eleito prefeito de Garanhuns. As principais realizações do seu segundo governo foi a compra de um prédio que servia de armazém ao Sr. Belarmino da Costa Dourado, a finalidade era reconstruir o Paço Municipal, em virtude, do edifício do Paço da Câmara encontra-se em estado ruinoso. O prédio ficava localizado no edifício do antigo Fórum e depois Associação Comercial de Garanhuns, na Avenida Santo Antônio. Outros Atos do seu governo foram a criação da segunda escola municipal de curso primário e a inauguração do primeiro serviço de iluminação pública, composta aproximadamente de 40 lampiões a querosene, afixadas nas esquinas das ruas e becos da cidade. 

Manoel Antônio de Azevedo Jardim foi prefeito de Canhotinho e eleito deputado estadual em duas oportunidades. Em 15 de janeiro de 1917 foi um das vítimas da Hecatombe.
Fonte: História de Garanhuns - Alfredo Leite Cavalcanti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário