domingo, 25 de outubro de 2015

PÁGINAS DA NOSSA HISTÓRIA - O PRIMEIRO GRANDE SURTO DE CÓLERA EM NOSSA REGIÃO

A doença entrou em Garanhuns por intermédio
de dois homens vindos de Alagoas.
Foto: Blog Pais de Quatro.
O primeiro grande surto da cólera no Brasil ocorreu entre 1855 e 1856. Em Pernambuco a doença chegou por via terrestre, entrando em Garanhuns por intermédio de dois homens vindos da Vila de Pão de Açucar (Alagoas), já contaminados pelo mal. Daí em diante, propagou-se por Papacaça, Correntes, Quipapá, Bonito, Glória de Goitá, Caruaru, Limoeiro, Goiana, Paudalho, Nazaré, Igaraçu, Olinda, Cacimbas e redondezas. Em Santo Antão (Vitória de Santo Antão) o ataque foi avassalador. Em poucas semanas, inúmeros vitorienses morreram de cólera, criando-se dificuldades até mesmo para se encontrar quem enterrasse os cadáveres. Estes apodreciam nas casas, nas ruas e nas estradas.

Enquanto os médicos e estudantes de Medicina que para ali foram enviados, voltaram todos, ou doentes ou horrorizados. O total de vítimas da doença atingiu na localidade a cifra de quatro mil.

A trajetória da cólera prosseguiu. Chegou a Jaboatão em janeiro de 1856 e em seguida atingiu o Recife. A primeira vítima seria Hermenegildo da Paula Albuquerque, 24 anos, residente no bairro de São José, que contraiu a doença em Jaboatão. Depois daquele bairro, a epidemia atingiu Santo Antônio e a Boa Vista, chegando ao auge em março de 1856. Nesse mês, houve dia em que morreram 133 pessoas na Capital. Em maio, quando a epidemia foi tida como debelada, o balanço no Recife era de 3.338 mortos, dos quais quase três mil em trinta dias apenas numa população de menos de 60 mil habitantes.

O total de mortos na província em 1856 foi de 32.586, número que se elevou 41.580, por conta de pequenos surtos ou casos esporádicos nos anos seguintes. A epidemia espalhou-se pelo Nordeste, ceifando vidas. A Paraiba teve 20.703 mortos; o Rio Grande do Norte, 3.763; o Ceará, 12.735 e o Piauí, 52 mortos.
Fonte: Jornal "Diário de Pernambuco".

Apoio Cultural:


Nenhum comentário:

Postar um comentário