quinta-feira, 10 de setembro de 2015

DE GYMNASIO PARA COLÉGIO DIOCESANO DE GARANHUNS

Colégio Diocesano de Garanhuns.

Os primeiros anos de atuação do Pe. Adelmar foram no sentido de atender exigências oficiais para a mudança da condição de Gymnasio para a de Colégio.

Cresce o número de matrículas e a direção procura ampliar a sua estrutura física e instalar laboratórios; reforça corpo docente; enfim, percorrem-se os caminhos para a plenitude de Colégio.
Mons. Adelmar recebendo a Medalha do Pacificador
  em  1973.
Para chegar até ai, o Pe. Adelmar viaja, com muito esforço pessoal duas vezes ao Rio de Janeiro, levando farta documentação e, sobretudo, a força da sua presença física, uma raridade além muro do Diocesano.

Um ano depois, chega a notícia tão esperada coroando o esforço despendido. O Jornal do Commercio anuncia: " O Presidente da República concedeu decreto autorizando o Gymnasio Diocesano de Garanhuns a funcionar como Colégio Diocesano de Garanhuns".
Presidente Eurico
Gaspar Dutra.
O citado decreto toma o nº 24.283 de 30 de dezembro de 1947 e tem este conteúdo:

"O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 87, item I, da Constituição, e nos termos da Lei Orgânica de Ensino Secundário e do Decreto-Lei nº 4.245, de 9 de abril de 1942, decreta: 

Art. 1º - O Gymnasio Diocesano de  Garanhuns, no estado de Pernambuco, fica autorizado a funcionar como Colégio. Art. 2º - A denominação do estabelecimento de ensino secundário de que trata o artigo anterior passa a ser Colégio Diocesano de Garanhuns. Art. 3º -  O reconhecimento, que pelo presente decreto, e concedido ao Colégio Diocesano de Garanhuns, considerar-se-á, quanto aos seus cursos Clássico e Científico, sob o regime de inspeção preliminar. Art. 4º Revogam-se as disposições em contrário. Rio de Janeiro, 30 de dezembro de 1947, 126 de Independência e 59 da República. 
aa) Eurico G. Dutra".
Fonte da Pesquisa: Livro "Colégio Diocesano de Garanhuns - Cem Anos de Ciência e Fé" do Professor, Jornalista e Escritor  Manoel Teixeira Neto - 3º Edição Ampliada - ano de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário