terça-feira, 18 de agosto de 2015

O GRANDE TRABALHO REALIZADO PELO SR. ARCELINO DE FIGUEIREDO MATOS EM GARANHUNS

A grande feira de Garanhuns e "A Atractiva".

Conhecido como "SEU MATOS", era proprietário da "A Atractiva", situada na Santo Antônio, em um imóvel (sobradão) com o 1º andar, onde ele residia. Solteirão, filiado a corrente dos LEAIS - eternos celibatários da terra dos unhanhús, chegara a Garanhuns nos idos de "30".

Em 1936 funda a Sociedade Mortuária Amor e Caridade e é eleito, na 1ª diretoria para o cargo de tesoureiro, o mais espinhoso de toda a organização. Até 27 de fevereiro de 1953, data do seu falecimento, presta total dedicação à Mortuária, podendo mesmo afirmar-se que era o corpo e a alma da "Amor e Caridade".

"Seu Matos" tinha um especial "hobby" - contar estórias... Daí a frequência verificada de sua casa comercial, em determinadas horas, para um papo informal. Das "estórias" que ainda correm pela boca do povo, dando-lhe a autoria - não posso afirmar nem negar quanto ao autor, concordando com o velho "Joca", "dizem que conversa demais, não afirmo nem nego", vamos procurar repetir, uma delas, credenciadas ao ilustre cearense.

Dizia "seu Matos":

"Eu levanto-me, todo dia, antes do galo cantar e tenho o hábito de ir até à janela, do meu sobradão (1º andar), a fim de assistir à passagem das beatas, principalmente aos domingos, em demanda da Catedral para a missa das cinco. Numa madrugada, estava na janela, gosando o frio gostosíssimo, e apreciando aquela garoa, que dizem, enregela a alma, e o dia que estava clareando, quando constatei que havia um objeto qualquer na calçada, deu-me então vontade de saber do que se tratava. Antes mesmo de consolidar o pensamento, pulei pela janela em demanda do solo. No meio do caminho verifiquei que próximo estavam passando algumas mulheres - certamente as freguesas da igreja e lembrei-me que estava despido - Costume de dormir sem nenhuma roupa para melhor gozar o frio da cidade serrana, pois ainda não vestira nem uma calça e seria um escândalo caior no meio de tantas mulheres no traje de adão. Se rápido pulei, mais rápido pensei, e, a única fórmula de solucionar o problema era dar uma "cambalhota" no ar e retornar ao meu quarto. Em questão de segundos tudo resolvi e voltei a apreciar o bando de mulheres que, espantadas corriam para a igreja, pois vira um vulto no espaço sem poder definir o que fora... Acredite que quiser. "Dele, assim falou o J. D. da Fonsêca.

Antes comprou uma casa comercial das mais importantes da cidade. Um cidadão não pode ser mais decente do que ele. Basta dizer que ele chega ao cúmulo de "não fazer defesa" relativamente ao pagamento de impostos mercantis. Isso é o cúmulo da honestidade.

Homem possuidor de uma coração generoso, era o sr. Arcelino de Figueiredo Matos, o "SEU MATOS". Dedicou-se de maneira saliente a vida comercial, no ramo de tecidos e miudezas, onde sempre desfrutou largo conceito, pelas atitudes dignas e corretas. Prestou inestimáveis serviços  à coletividade, principalmente aos menos favorecidos.
Fonte da Pesquisa: Livro "Os Aldeões de Garanhuns" de Alberto da Silva Rêgo. Década de 80.


Ele era natural do Cariri cearense e morreu nos anos de 1950, aos 58 anos. Não deixou filhos, existindo atualmente, como descendentes, somente algumas sobrinhas, residentes no Ceará. Tive o prazer de manter um contato com um  sobrinho-neto do Sr. Arcelino Matos que reside em Fortaleza através de e-mail, e o mesmo me informou que em breve virá à nossa cidade.

De acordo com um Projeto dos Vereadores: Aloísio Souto Pinto, Raimundo de Moraes e Dr. Uzzae Canuto, e sancionado pelo prefeito Celso Galvão em 25 de maio de 1953, o mesmo "Substituiu o nome de Rua Maurício de Nassau pelo de Arcelino Matos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário