The 3 Week Diet

Wednesday, July 1, 2015

ESTÁ PROIBIDO A PARTIR DE HOJE VENDER LÂMPADAS INCANDESCENTES DE 60W


A partir desta quarta-feira (1), as lâmpadas incandescentes com potência de 60W vão sair de circulação. Agora é proibido produzir, importar e vender este tipo de lâmpada no Brasil. As multas para quem descumprir a regra variam de R$ 100 a R$ 1,5 milhão, segundo o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

O motivo da retirada do produto do mercado é sua baixa eficiência energética, já que consome muita energia para iluminar pouco. O processo de funcionamento das chamadas lâmpadas quentes exige temperaturas elevadas para gerar luz. A maior parte desse calor é perdido para o ambiente. “Somente 5% da energia gasta é usada para iluminação. O resto é usado para aquecer a lâmpada. É muita energia para pouca luz”, esclarece o professor de engenharia elétrica, Luciano Duque.

Para Duque, o maior obstáculo para a troca por tecnologias mais eficientes, como as lâmpadas fluorescentes compactas ou as de LED, ainda é o preço. “É possível encontrar lâmpadas de LED a partir de 20 reais. “Se você comparar com uma incandescente de 4 reais, realmente a diferença é muito grande, mas a economia na conta de luz vale a pena”.

O engenheiro Marcos Borges afirma que a previsão do Inmetro é que, com a saída das lâmpadas de 60W do mercado, e o início da produção em larga escala de lâmpadas fluorescentes e de LED, a tendência é que os preços caiam. Nos últimos anos a população tem se conscientizado sobre a questão, por causa das desvantagens da outra. “Em 2010, 70% dos lares brasileiros eram iluminados por lâmpadas incandescentes. Hoje, esse número inverteu. Agora, somente 30% das residências usam as incandescentes.”

Segundo Borges, o fim do consumo de lâmpadas incandescentes nas casas brasileiras pode gerar uma economia de 4% de toda a energia elétrica usada para abastecer residências. A previsão do Inmetro é que, com a saída das lâmpadas de 60W do mercado, e o início da produção em larga escala de lâmpadas fluorescentes e de LED, a tendência é que os preços caiam.

Para as famílias que não têm condições de trocar todas as lâmpadas incandescentes de uma só vez, o professor Duque tem uma dica: trocar aos poucos, de acordo com o orçamento familiar, a começar pelo cômodo da casa que fica mais tempo aceso. “A cada lâmpada trocada, a família vai ver a economia na conta de luz”. A troca de uma lampada de 60W incandescente por uma de LED com luminosidade equivalente, ligada 4h por dia, vai economizar em média 36 reais por ano na conta da luz, informou.

O processo de retirada de lâmpadas incandescentes do mercado brasileiro teve início em 2010. Desde então, as lâmpadas incandescentes de 100W, 150W e 200W já foram retiradas do mercado. Com a proibição das de 60W, ficam faltando apenas as de potência entre 25W e 40W, previstas para deixarem de ser comercializadas em 30 de junho de 2016.

Se comparada a tecnologias mais modernas, como as lâmpadas fluorescentes compactas e as de LED, o uso das incandescentes não se justifica, explica o professor de engenharia elétrica. Uma lâmpada incandescente de 60W, ligada 5h por dia, por 30 dias, consome em média 9kw/h. Uma fluorescente de 20w, que gera a mesma intensidade de luz, ligada pelo mesmo tempo, consome 3,6kw/h. Uma lampada de LED de 8W, também ligada por 5h por 30 dias, consome 1,2 KW/h.”, destaca.

O Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) informa que a diferença de duração das lâmpadas é grande. Segundo o Procel, as incandescentes duram em média 1000 horas, as fluorescentes 6 mil horas e as de LED duram cerca de 25 mil horas.
Fonte: Agência Brasil



LIVRO USADO
A Reforma da Natureza
Monteiro Lobato
Editora - Brasiliense
Ano - 1960
R$ 24,90
Contato: (87) 99966-5566
anchietaviana@yahoo.com.br
Conservação - Boa

No comments:

Post a Comment