terça-feira, 28 de julho de 2015

CHEGADA DE ALFREDO VIEIRA AO COLÉGIO DIOCESANO DE GARANHUNS


Aluno do Colégio Diocesano, de onde saí na sua primeira turma de  concluintes do Curso Secundário, quero falar hoje, um pouco da sua vida, do muito que o velho Ginásio fez e ainda está fazendo pela mocidade de Pernambuco.

O Colégio dos Padres, como era chamado ao tempo do Mons. José Antero, foi fundado e teve sua vida inicial onde hoje funciona o Hotel Familiar(Banco Bradesco). Foi seu idealizador, o Cônego Benígno Lyra, alagoano de boa cepa e integrante da família dos Lyra da Usina Serra Grande, de São José da Laje.

O Pe. Benígno Lyra e Mons. Afonso Pequeno, foram, segundo informações dos mais antigos de Garanhuns, os que idealizaram e fundaram o nosso Colégio Diocesano de Garanhuns. Saído do prédio onde atualmente ainda se encontra o Hotel Familiar, o Colégio dos padres, foi instalado em prédio próprio no local onde ainda funciona, tendo inaugurado o seu grande edifíco em 12 de outubro de 1925.

Lembro-me bem dos  seus primeiros diretores, o Mons. José Antero, cearense de nascimento, conhecido pela sua austeridade a par de magnífica inteligência. O Mons. Antero, era assíduo frequentador  da casa do meu pai, o Promotor Público Alfredo Vieira. Era uma visita permanente a nossa casa, onde sempre chegava à noite, para uma conversa informal sobre os acontecimentos do dia. Já advogado, reencontrei o Mons. Antero há alguns anos em fortaleza e relembrei o seu tempo na direção do velho Ginásio. O nosso Colégio Diocesano teve alguns  nomes antes do atual. Chamou-se durante muito tempo Ginásio de Garanhuns, depois Ginásio Municipal de Garanhuns, para atender exigências de ordem legal para sua equiparação, contando com a ajuda de Souto Filho, Euclides Dourado e Mário Lyra. Ginásio Diocesano  de Garanhuns, e finalmente, Colégio Diocesano de Garanhuns.

Entrei no Ginásio em Julho de 1927. Seu diretor era o Pe. Manuel Diegues Neto, que acumulava com as funções de Secretário do Bispado; foi sucedido por Pe. Agobar da Mota Valença, falecido em 1930, por Mons. José de Anchieta Callou e até hoje, por essa figura marcante de sacerdote educador que é o Mons. Adelmar Valença.

As nossas homenagens àqueles que ajudaram e ainda ajudam aos que querem aprender a trilhar bons caminhos.
Fonte da Pesquisa: Livro "Garanhuns do Meu tempo" de Alfredo Vieira - ano de 1981.

Nenhum comentário:

Postar um comentário