quinta-feira, 14 de maio de 2015

PARÁ E BAHIA TÊM CIDADES RECORDISTAS DE MORTALIDADE POR ARMAS.

No último fim de semana, quatro pessoas foram assassinadas em Simões Filho, cidade de pouco mais de 100 mil habitantes na região metropolitana de Salvador. Em Ananindeua (PA), perto da capital, Belém, uma jovem de 19 anos foi encontrada morta em casa e a polícia ainda investiga o assassinato de outras sete pessoas no mesmo dia, ocorridos no final de abril. As duas cidades, periferias das capitais, têm taxas de mortalidade por arma de fogo acima de 100 por 100 mil habitantes, o que equivale a zonas de guerra.

O Mapa da Violência 2015 - Mortes Matadas por Armas de Fogo mostra que as zonas metropolitanas das capitais, sem as mesmas condições de manter os aparatos de segurança das vizinhas mais ricas, estão herdando crimes e mortes.

Dentre as 20 cidades com maiores taxas de assassinatos por armas de fogo, 14 estão em zonas metropolitanas e uma é a própria capital, Maceió. Dessas, apenas duas não estão no Norte ou Nordeste: Serra (ES) e Campina Grande do Sul (PR).

De acordo com Julio Jacobo, autor do estudo, a violência migrou para centros menores, onde a estrutura de segurança e social é menor. "Onde aparecem novos atrativos aparece a criminalidade, mas não o Estado para enfrentá-la. Esses municípios enfrentam uma onda de crime organizado totalmente desaparelhados." Cinco capitais estão entre as cem com maiores taxas: Maceió (AL), João Pessoa (PB), Fortaleza (CE), Vitória (ES) e Recife (PE). 
(Fonte: Portal do Estadão).

Nenhum comentário:

Postar um comentário