quinta-feira, 30 de abril de 2015

HÁ 23 ANOS FALECIA JOSÉ CARDOSO DA SILVA "O HOMEM DO POVO".

José Cardoso da Silva.
José Cardoso da Silva, homem simples, do povo, dono de um poder com as palavras e de versá-las em público que fazia de seus discursos verdadeiras festas populares, cativando as massas, e melhor, com o conteúdo de quem lutou contra a ditadura e se posicionou sempre ao lado da justiça e da liberdade.

Deputado em duas legislaturas estaduais, José Cardoso representou Garanhuns na Assembleia, de 1962 a 1964, quando foi cassado pelo governo militar, voltando depois em 1987, quando na época suplente da eleição de 1986, assumiu no lugar de Sérgio Guerra, quando Miguel Arraes nomeou o então aliado Secretário de Estado. 

Foi fundador do PDT, junto a Leonel Brizola, numa época em que a ideologia e o esquerdismo ainda mapeavam a política nacional, onde de um lado estavam os que lutavam pela liberdade de expressão e a democracia, e no outro, ainda pairavam os defensores do regime militar. Tempos difíceis para todos que militavam contra os poderosos.

José Cardoso trabalhou bastante, e fez quase de tudo em Garanhuns, de dono de bar a radialista, conquistando a simpatia de sua gente, até que se elegeu vereador em 1959. Três anos depois sairia eleito deputado com uma votação consagradora. Não tinha estudo, não terminou nem o primeiro grau, mas impressionava pelo seu conhecimento e sua caligrafia que chamava a atenção de todos, principalmente a quem sabia de sua pouca formação.

José Cardoso da Silva morreu sem realizar um sonho, governar Garanhuns, e quis o destino que sua morte ocorresse a poucos meses da eleição, e naquele momento, tinha a preferência do eleitorado e as pesquisas apontavam sua vitória.

José Cardoso era tricolor em Recife e Setembrino em Garanhuns, gostava de ouvir jogos no rádio e deixou muitas amizades mesmo no campo adversário de suas campanhas políticas, como o ex-prefeito Ivo Amaral. Seu féretro foi seguido por milhares de pessoas, comparado anos depois ao do radialista Aluízio Alves. Em sua grande maioria, pessoas simples da periferia, que davam adeus ao seu amigo. Pessoas que tinham acesso fácil a José Cardoso.

Morreu sem patrimônio, muitas vezes sem ter uma casa para morar, dividia com os pobres o pouco que conquistou na política, na maioria das vezes bancando suas campanhas e de seus correligionários, mas morreu reconhecido por sua gente, que viu naquele homem mais que um representante político, alguém que fez de sua vida uma ode ao serviço público e aos ideais de uma vida voltada à dignidade e liberdade.

Morreu o homem do povo!

HOMENAGENS A JOSÉ CARDOSO

PE – 177 – Rodovia Deputado José Cardoso da Silva – Autoria Deputado Marcantônio Dourado

CEAGA Vereador José Cardoso da Silva – Autoria: Vereador Paulo Gomes

Sala de Imprensa da Câmara Municipal – Autoria: Vereador Sivaldo Albino

Rua José Cardoso da Silva – Parque Fênix.
(Fonte: Blog do Ronaldo Cesar).

Nenhum comentário:

Postar um comentário