sábado, 14 de março de 2015

RUMO AO CENTENÁRIO (1915-2015) - ASSIM NASCEU O COLÉGIO DIOCESANO DE GARANHUNS.

Primeira sede do Colégio Diocesano de Garanhuns.  Chalet
construído pela família Grossi em 1905.

Antes de nascer, o Ginásio de Garanhuns já existia na mente do Mons. Afonso Pequeno, primo do Mons. Antero e vigário da Paróquia de Garanhuns desde de 1908. Conseguiu ele a fundação, em 1912, do colégio das meninas (Santa Sofia) e, ao entregar a paróquia ao Cônego Benígno Lira, exigiu dele o compromisso de fundar o colégio dos meninos.
Mons. Afonso Pequeno.
Por esse tempo, os meninos estudavam, uns na escola paroquial, outros no próprio Santa Sofia, outros nas escolas públicas. Estava em Garanhuns, desde março de 1912, como capelão do Santa Sofia e coadjutor da paróquia, o Padre José Ferreira Antero.

Ao assumir a paróquia, o Cônego Benígno Lira em janeiro de 1915, dois padres recém-ordenados - João Olímpio dos Santos e Eustáquio de Queiroz - lhe foram dados como coadjutores, para que o Padre José Ferreira Antero pudesse ficar livre do trabalho paroquial e, assim ser fundado o colégio dos meninos.
Cônego Benígno Lira.
Habitavam os quatro padres a mesma casa paroquial e, nela, a 19 de março de 1915, foi fundado o Gymnásio de Garanhuns, pelo Cônego Benígno Lira, ficando o Padre José Ferreira Antero como diretor e tudo o mais, pois o vigário e os dois coadjutores mal tinham tempo de vencer os pesados trabalhos na paróquia.

Sendo o dia 19 de março um sábado, as aulas começariam a funcionar na segunda-feira 21 de março. Começou a funcionar no Chalet, primeiro prédio do lado de cima da rua Santo Antonio, lado direito da Catedral. Eram utilizadas também, as duas primeiras casas da rua D. Luís de Brito, nos fundos do Hotel Familiar. Um dos mais belos prédios de Garanhuns, naquele tempo.

Alunas do Santa Sofia ao lado Hotel Familiar.

Começaram as aulas com 15 alunos externos, número que, aos poucos, foi sendo aumentado. A disciplina impecável, a eficiência do ensino, os festivais realizados, eram coisas nunca vistas em Garanhuns! Tão eficazmente o Ginásio foi dirigido pelo Padre José Ferreira Antero que, em pouco tempo, começou a gozar de ótimo conceito em todo o Estado de Pernambuco e no Estado de Alagoas, de onde vinham diversos internos.

Alunos do Ginásio Diocesano,  em 07 de Setembro de 1922.
Apresentação para autoridades no Paço Municipal,
comemorações  ao  Centenário da Independência do Brasil.

O fardamento usado era: farda branca com botões dourados, dragonas vermelhas e Kepi branco com uma fita verde-amarela, na qual se liam as palavras Gymnásio de Garanhuns. Tal fardamento ainda era usado a 12 de outubro de 1925; em 1927 o branco foi substituído por kaki.

Ginásio Diocesano em 1927.

A bandeira é o símbolo maior do Colégio. Idealizada, em 1936, pelo então Vice-Diretor. Mons. Tarcísio Falcão, fora confeccionada inicialmente assim: campo roxo e amarelo, com faixa branca em diagonal, no centro da qual se encontrava uma cruz de malta, em vermelho e azul. Na esfera azul estavam cinco estrelas representando o Cruzeiro do Sul, como é visto no céu brasileiro. Na faixa branca, lia-se "Ordem e Progresso". Assim permaneceu até 1938.

Mons. José Ferreira Antero.
1º Diretor do Ginásio
Diocesano.
Ao assumir a direção do Colégio, naquele ano, Mons. Adelmar promove as seguintes alterações na bandeira: substituiu o roxo pelo verde e as palavras "Ordem e Progresso" por "Ciência e Fé", que passam a ser o lema da instituição até hoje. Amarelo e branco: as cores da Igreja a que pertence o Diocesano; verde e amarelo, cores da Bandeira Nacional; faixa branca com a frase "Ciência e Fé", por ser o lema do Colégio; esfera azul, com o Cruzeiro do Sul, simbolizando o céu do Brasil, outubro de 1938.

Nenhum comentário:

Postar um comentário