Monday, September 15, 2014

GARANHUNS DO MEU TEMPO - O “MOBRAL” ANTECIPADO

Garanhuns - Década de 60 - Membros da Loja Maçonica "Mensageiros do 
Bem", Da esquerda para a direita: Sr. Adriano Martins de Araújo (antigo 
Comerciante) por trás - Ednaldo Modesto França (ex-gerente das Casas José
Araújo) Sr. Carlos Dechamps (Profº de Matemática no Curso Ginasial do
Colégio XV e funcionário dos Correios), por trás - Sr. Pedro cabeludo, Sr. 
Davi Rodrigues (Dono do Hotel Garanhuns), Sr. José José Calado Borba, por
trás - Sr. Antônio Vaz da Costa, Jornalista Humberto Moraes e Mário
Corrêa Oliveira.

Antes do aparecimento do “MOBRAL”  e outras campanhas para alfabetização de adultos, o médico Pedro Carneiro Leão Sobrinho fundava, em Garanhuns, nos idos de 1931/32, a sua “Campanha de Alfabetização para adultos”, visando  instalar salas de aulas que funcionavam à noite, para adultos em geral, sem distinção de classe, sexo ou cor, desde que fossem analfabetos.

Professores seriam recrutados na base do esforço “voluntário”, para aulas que começariam sempre às 20 horas e se prolongariam até às 22 horas. O material didático seria adquirido com o resultado de contribuições da população de Garanhuns. Todos os domingos, durante muito tempo, o médico Pedro Carneiro Leão, juntava alguns voluntários, entre estudantes e pessoas do seu conhecimento e todos saíam em peregrinação pelas ruas de nossa cidade, levando às residências, clubes, sociedades, a ideia de melhorar o padrão dos que não sabiam nem ler nem escrever.
Fachada do "Armazém das Dez Portas", de Neves Guimarães & Cia.
Rua Barão do Rio Branco. A direita: Thomaz Neves Zuzart e Bernardino
Ferreira Guimarães, sócios da Firma. Garanhuns - Pernambuco.

Era uma campanha arrojada, iniciada na base do “serviço desinteressado”. Muitos aderiram ao seu chamado e logo começou a funcionar uma sala de aula no bairro do Arraial, que começava a surgir no início da rua da Maçaranduba, proximidades do Parque Euclides Dourado e campo do Sport Club. Outra sala de aula foi instalada na sede do “Centro Proletário de “Garanhuns”, que se situava na Rua do Recife, esquina com a Av. Nilo Peçanha. O “ Centro Proletário”, reunia os trabalhadores da cidade, sobretudo, os ligados à indústria da construção civil. Tinha ampla sala e pequena biblioteca, com bastante movimento diurno e noturno.

Católico praticante, sem contudo ser intolerante, o médico Pedro Carneiro Leão, conseguiu reunir todas as classes sociais da cidade, sem distinção de credos religiosos ou políticos, sendo parte atuante neste trabalho, os integrantes da “Loja Maçônica Mensageiros do Bem”, à frente o português Bernardino Ferreira Guimarães, proprietário do “Armazém das 10 Portas”, na Rua Santo Antônio.

Marcou ponto alto da Campanha, a sua instalação solene no Cinema Glória, com uma palestra do Pe. Carlos Coelho, que focalizou os aspectos sociais da “Enciclica Rerum Novarum”, do Papa Leão XIII. O Pe. Carlos Coelho se encontrava passando uma “temporada” no Seminário São José, anexo ao nosso Colégio Diocesano, e nos dava aulas de francês. Mais tarde, nos reencontramos em companhia do seu ilustre irmão, o advogado José Vieira Coelho, nas reuniões presididas no Círculo Católico do Recife, pelo Pe. João Costa, recém-chegado de Roma e pároco de Santo Antônio.

O Pe. Carlos Coelho e Pe. João Costa, chegaram à dignidade episcopal, nos bispados de Cajazeiras, Mossoró e Olinda-Recife.
Pedro Carneiro Leão Sobrinho, durante o tempo em que permaneceu em Garanhuns, manteve a sua “Campanha de Alfabetização de Adultos” em ação e muitos aprenderam a ler nas salas de aulas de sua “Campanha”. Estes são testemunhos de que a nossa cidade e a sua comunidade se anteciparam aos movimentos, hoje de âmbito Nacional, em benefício da cultura de nossa gente.
(Fonte: Livro "Garanhuns do Meu Tempo", de Alfredo Vieira)

No comments:

Post a Comment