quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

O PARQUE DOS EUCALIPTOS

Marcílio Reinaux -  02/1979





Era uma floresta imensa
De perfumados eucalíptos,
Entremeados de pequenas árvores.
Mas eles dominavam e 
Lançavam sombras imensas sobre
O parque. O parque de Garanhuns.

Entre sonhos e risos,
As bicicletas reluziam; de homem
Com quadro. As de moça com
Tela rendada multicolorida sobre
A roda traseira.
"Me dá uma trisca!" Dizia um moleque.
E lá seguiamos triscando por 
Entre os perfumados eucalíptos.

A casinha dos macacos,
Pulando alegres, o cercado da ema, 
Pescoço imenso, olhos arregalados.
Coelhos, algumas pacas e muitas
Cotias. Bicicletas "triscando" na gente.

O menino de rolete de cana,
Doce que só a peste, gritava.
Pirulito e sorvete. Tardes de sol,
Ensombreadas pelos eucalíptos.
Carramanchões de namorados.
No centro do parque,
A construção branca do barzinho.

Era uma floresta imensa,
De perfumados espaços
Entremados de sonhos e
Bicicletas. O parque de Garanhuns.
O parque dos eucalíptos.

Um comentário:

  1. Fantástico, o cheiro, a cor, a sensação de ter vivido isso,
    e isso vivo na memoria e no coração, parabéns falou profundo...falou na alma.

    ResponderExcluir