The 3 Week Diet

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

UM PREFEITO DE GARANHUNS

Luiz Souto Dourado (in memoriam)

Ano de 1961. Dom Adelino Dantas, Dr. Ivaldo Dourado,
Humberto Alves de Moraes, Profº Gonçalves Dias e  o ex-
Prefeito Aloísio Souto Pinto.
O último dia do ano não é o último dia do tempo, disse Drummond. Mas  para Aloísio Souto Pinto foi. Mal surgia 1969, um sentimento de frustração, de perda, vinha abater a euforia, a esperança no novo ano.

Estava ainda na missa, quando soube a notícia. E assisti aquela multidão deslocar-se para a casa dele, para aquela mesma casa para onde fora tantas vezes levar Aloísio, depois das suas vitórias. Na verdade, ele fora um íntimo do povo e das vitórias. Já estava acostumado com o calor de ambos.  A derrota para ele era um choque insuportável, uma dor imensa. Um ano novo, um novo dia, não mais lhe interessava. Aquele povo que agora corria para sua casa, havia lhe falhado, daquela vez. E agora o povo, numa passeata que seria a última, levava Aloísio para a viagem sem retorno. Imagino que ele gostaria de ver aquele espetáculo comovente em torno de si. Tão comovente que me senti o grande derrotado da eleição que ganhara. O vitorioso era o morto que o povo chorava.

No meu entender, Aloísio não foi propriamente um coronel, com postura e o poder dos coronéis da política de antigamente. Foi mais um líder popular, com a casa sempre aberta e uma invulgar disposição de interferir em favor do amigo, de ajudar os humildes.

A sua época também não comportava mais coronéis. Garanhuns já entrava numa faixa de desenvolvimento, de politização, em que, como consequência, a figura do coronel ia se diluindo. A estrada pavimentada, o banco privado, a microondas, a televisão, a chegada diária dos jornais, a escola superior, o sindicato, a previdência social, enfim  a transformação do município em pólo de desenvolvimento de uma região, transformava o antigo coronel, ou o tradicional chefe político, num líder, quando ele tem consciência dos problemas da  coletividade. Ou num líder popular, quando ele tem qualidades e ainda carisma. O líder popular tem necessariamente de movimentar os problemas do povo, comunicar-se com o povo, estar ao seu lado. O voto, que era uma contrapartida do favor pessoal, um voto de gratidão, passa a ser um voto de reconhecimento pela solução obtida de problemas comuns. O voto de reconhecimento da comunidade ao líder, substitui o voto de gratidão ao coronel. Por isso Aloísio não foi propriamente um coronel. Foi, isto sim, um líder popular.

A fantasia é um expediente dos políticos, disse um escritor moderno. Aloísio não era um fantasista. Antes, era um realista. A política para ele era também a arte do possível, como na definição clássica. Mais um exercício do poder do que mesmo uma escalada para o poder. Exerceu-a no plano municipal, sem de nada abrir mão. Entre ajudar, como deputado, e exercer como prefeito, preferiu esta hipótese. Ou se possível, acumular os dois mandatos. Daí a tentativa de mais um eleição, que, infelizmente, foi a última.

Fiz o possível para que ele não participasse da eleição. Se estava na Assembléia, ficasse por lá. Ela já fora prefeito e eu já fora deputado. Tínhamos o mesmo sobrenome e o mesmo desejo de trabalhar por Garanhuns. Depois inverteríamos os papéis. Chegou a concordar, a princípio. Mas deixou-se levar pela paixão. Era um enciumado pela cidade. Diria quase um passional. Mostraria que ninguém a arrebatava. Iria às últimas consequências, na disputa por esse amor, por essa posse. E foi. Reconheço que Aloísio era um telúrico. Dominava-o um estremado sentimento da terra, das causas de sua terra. Na seleção da cidade, jogava na defesa, como se alguém pretendesse tomar-lhe a cidade. Nas passeatas do Diocesano, desfilava a cavalo, como se defendesse uma cidadela.

Sabendo e sentindo tudo isso,inaugurei o seu retrato na Estação Rodoviária, que concluímos. Dei o seu nome ao trecho da praça, que ele iniciara mas não pudera terminar. Procurei assim do seu nome fazer sempre uma lembrança. Aliás, muito fácil para quem deixa o nome no coração do povo. (Luiz Souto Dourado foi  Secretário do Interior e Justiça do Governo Arraes, deputado estadual  em três legislaturas e prefeito de Garanhuns entre 1969 e 1973).

6 comentários:

  1. Emocionante esse artigo de Souto Dourado.

    ResponderExcluir
  2. NA MINHA MENINICE, NAQUELA FATÍDICA NOITE DA MORTE DE ALOÍSIO PINTO, ESTAVA EU, NA CALÇADA DA CODAN QUE ERA UMA REVENDENDORA DE CARRO(RUA DANTAS BARRETO), QUANDO VI OS MAIS VELHOS E MEUS FAMILIARES "CUXIXAR". MORREU ALOÍSIO PINTO, AGORINHA...

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo blog. Em Garanhuns estão minhas raízes e minha família tem uma história em Garanhuns. Fiquei muito feliz em ver meu avô (Antonio Gonçalves Dias) na foto. Vasculhei o blog e mostrei a meu pai a gravação de Mos. Adelmar rezando a oração de São Francisco. Ele ficou muito emocionado.

    ResponderExcluir
  4. POIS É, MEU PAI EM FOTO AQUI.ANTONIO GONÇALVES DIAS.
    SEUS POSTS PARECEM ESTÓRIAS DE MINHA VIDA, ESTÓRIAS DE MINHA FAMÍLIA.ME SENTI, SENTADA NUMA CADEIRA MUITO CONFORTÁVEL, PAPEANDO COM ANTIGOS CONHECIDOS, AMIGOS, COLEGAS.SAUDADE, MUITA SAUDADE.SÓ POSSO DIZER , OBG

    ResponderExcluir