Sunday, February 17, 2013

PROFESSOR AUGUSTO PINTO


Marcílio Reinaux




Logotipo publicado no Almanaque de Garanhuns
de 1937, que foi editado por Felix Rui Pereira e
Diretor  Ruber van der Linden.


Meio século  não é meia dúzia  de anos. É  um respeitável espaço de tempo, que sedimenta  a vida e as coisas.  Esse tempo  torna-se tanto mais  importante, e o seu significado  toma maior vulto, quando  observa-se que o mesmo foi premiado numa atividade e função das mais gratificantes e de sobejas recompensas  ao espírito humano.   Entendo  que ser mestre e professor, é aquele que ensina  com responsabilidade, dedicando-se por inteiro ao conhecimento  do aprendizado para outros;  aquele que é portador de uma das mais edificantes atividades, na visão histórica da humanidade. O Imperador Pedro II disse por volta dos idos de 1890 que "Se eu não fosse  Imperador  desejaria ser professor. Não conheço missão maior e mais nobre  do que dirigir as inteligências  juvenis e preparar os homens do futuro "

Foi  precisamente isso que  o  professor Augusto  Pinto fez  em quase toda a sua vida, 50 anos, da qual dedicada  a orientação das inteligências dos jovens, contribuindo  sobremaneira  para a formação  de homens e mulheres no encaminhamento  para a vida. Ser mestre  é ter o dom  da arte de  ministrar, ensinar, transmitir, redarguir, apropriar-se de conhecimento e transmiti-los  com sabedoria, com amor e carinho. É necessário contudo,  ter-se uma grande movimentação interior, aquela que leva o indivíduo a palmilhar  a vida, mesmo em meio a lutas e sacrifícios, com galhardia e firmeza. O professor Augusto Pinto,  provou que foi  possuidor dessa firmeza de caráter da responsabilidade e do amor  carinho para  tudo  com que entrega. Tropeços naturais todos  temos  mas  sobrecuja-os com  a missão do magistério, que fio seu apanágio.

Nascido em Palmares pelos idos de 1922  com a família  foi levado para o Recife  e já no final daquela década,  transferia-se também com toda a família para  Garanhuns. Seu pai, o velho  Arnobio com o irmão Anísio  tornaram-se comerciante dos mais tradicionais de Garanhuns por quase  trinta anos, criando uma  penca de   filhos por traz do  balcão do "Café Glória", cuja participação na vida da cidade nos conduz a uma incontida saudade. O pequeno Augusto (sempre foi de baixa estatura) iniciou os seus primeiros estudos  no Ginásio Diocesano sob as vistas  austeras de Monsenhor Callou e depois Padre Adelmar, esse exemplo vivo da Cultura de  Garanhuns e de  Pernambuco.  No segundo ano Ginasial transferiu-se para  Colégio Quinze, tendo companheiros como Oziel Gueiros, Nair Souto, João Campos, Douglas Maia, Wilson  Correia e muitos outros. De espírito  muito lucido, de uma vivacidade invejável. Augusto Pinto   ingressou nas atividades artísticas e teatrais  do Colégio Quinze e fez sucesso. Com Luiz Maia e Gasparine da Mata, fundou o Teatro Estudantil  de Garanhuns, que   excursionou  várias vezes pelo interior do Estado.

Em março de 1939 Augusto Pinto é  convidado pelo professor Ruber Van Der Linden  a ser seu auxiliar como professor de desenho. Leciona  esta cadeira e Geografia, dai por diante  até 1946 exercendo também  no Quinze, diversas  funções administrativas. Na esteira do Quinze, Augusto lecionou em muitos colégios no Recife, sendo diretor de alguns deles. Vale citar:   Colégio  São Luiz, Agnes Erskine, Henrique Dias, Ginásio Panamericano, Martins Júnior, Alfredo Freyre, Mariano Teixeira, Salesiano e outros. 

O professor Augusto Pinto  teve assim uma vida pontilhada de efetivos  trabalhos e serviços  prestados a educação e a cultura  de  Pernambuco e em especial  de  Garanhuns, mostrando-se  sempre em todos os momentos, uma  pessoa  de caráter ilibado, afável, amiga, sem se  descuidar da seriedade  e competência das  funções que exerceu. Teve um currículo  invejável, brilhante, marcado  de páginas e capítulos edificantes  de uma vida calcada no temor  de Deus, debaixo do Evangelho de  Cristo. Foi um eloquente  testemunho e exemplo  a todos que tem  o privilégio de  conhecê-lo mais de perto.


                                     

No comments:

Post a Comment