quinta-feira, 9 de agosto de 2012

O Relógio de Flores


Luiz Gonzaga de Lima (Gonzaga de Garanhuns)

Sobre o solo implantado
No silêncio trabalhando
Os seus possantes ponteiros
Horas certas vão marcando
O seu mostrador de flores
A beleza vai mostrando.

Brancos ponteiros indicam
O tempo que vai passando
Seu maquinário possante
No silêncio trabalhando
Seu tic-tac contínuo
Silencioso vibrando.

Este relógio de flores
Na vasta praça se aferra
Se aderindo com vigor
Nas coisas da minha terra
Orgulhando com fervor
O dorso da minha terra.
(Foto: Relógio de Flores da Praça Tavares Correia).

Nenhum comentário:

Postar um comentário