sexta-feira, 18 de maio de 2012

A voz do silêncio


Onilza Braga

O silêncio do tudo
O silêncio do nada
O silêncio embaraçoso que nada diz
E nos inquieta e angustia
O silêncio de quem nada mais tem para dizer
O silêncio vazio, no qual nem o eco do passado ressoa
O silêncio frio
Desenvolvido
Despido
O silêncio do nada
O silêncio
No qual rebuscamos nossos cérebros
À procura de palavras de quaisquer origens
Que nos definam a plenitude que sentimos
O êxtase
O prazer de ser
A harmonia do completo
A essência
O valor da quietude
E não encontramos palavra alguma em nosso
pequenino e limitado mundo onde só as coisas
simples têm códigos e fórmulas e símbolos e
palavras que as explicam
Então descobrimos que em vão procuramos definir
O Superior
O Pleno
A Harmonia
A Perfeição
A Paz
O Espírito
E ficamos em silêncio. O silêncio do tudo.
É hora da calar. É hora de ouvir. Deus

Nenhum comentário:

Postar um comentário