quinta-feira, 17 de maio de 2012

ROSA

Nelson Fernandes

Depois de muito admirar as flores
Que tanto enfeitam os jardins da vida,
Jamais pensei que entre meus amores,
Fosse uma ROSA encontrar perdida.

Quando julgava uma flor nascida
Para meu sonho iluminar em cores,
Tu desprezaste o meu amor, querida,
Só me causando sofrimento e dores.

Do meu segredo, inteiramente mudo,
Nesse passado representa tudo,
Do meu romance és visão formosa.

Em pensamentos e papéis dispersos
No ramalhate dos meus pobres versos,
Não és mulher, és uma flor és ROSA.

Recife, Fevereiro de 1955

Nenhum comentário:

Postar um comentário