sexta-feira, 18 de maio de 2012

PRÉDIOS HISTÓRICOS DE GARANHUNS - PARTE 2


CASA DE D. SÍLVIA GALVÃO TAMBÉM É DERRUBADA UM MÊS APÓS O "CASTELINHO"

Na tarde do sábado 21 de dezembro de 1996, quando o dia ia acabando, foi dado início à vergonhosa ação de derrubar a casa(foto) de D. Sílvia Galvão. Poucos dias depois, no Natal, a paz, que se buscara nas árvores, nos ares e nas casas, era subitamente magoada, quando os olhos de qualquer garanhuense que ama a terra, deparavam com o lugar da casa e, no lugar, os torrões, as pedras, lembrando os tempos da pré-história. Antes, em novembro, a casa de Ruber van der Linden tinha sido derrubada e, em protesto, a imprensa do Estado divulgou o crime consumado.

Garanhuns ficara abalada, tão grande como foi o tombo do "Castelinho". Pois, quando ainda se chorava a perda histórica, a ignorância escancarou os seus dedos sujos e, com a forte mão do poder e do peso do ouro, agrediu pesadamente a casa e o sentimento dos que amam. Os que amam não fazem estas coisas! Está lá, no lugar da casa, a casa vazia das suas paredes e do seu telhado. Mas continua lá... Como D. Sílvia e o não menos inesquecível Dr. Celso Galvão, duas vezes prefeito de Garanhuns, a casa azul (nunca mais amarela como era), azul ou da cor do ar.
O ar tem cor, o horizonte, a poesia, o sentimento, a cultura... mas a ignorância, não! Esta só ostenta o que pode, o que pesa.(fonte "Jornal "O Século" de maio de 1997).

A cultura está para um povo como a alma está para a vida, um povo sem memória, é um povo sem destino. É muito triste quando culturas são esquecidas, transformadas, ignoradas, mutiladas, é triste quando um povo não pode contar sua história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário