Monday, April 9, 2012

GARANHUNS



Ruber van der Linden

Alcandorado no pendor de um monte,
um casario a se elevar do barro
Ruas em fila. A Catedral defronte,
artéria longa em torcicolo charro.

De grande nada, nem jardins, nem fontes,
Nem catadupa, nem grotão bizarro,
Vida bucólica. O gemer de um carro
De minha terra mais não sei que conte.

Mas num porvir, que meu sentir anela,
já que o Progresso por aqui radica
talvez descreva Garanhuns mais bela.

É que seus filhos amanhando a terra,
hão de fazê-la grande e forte e rica
como os tesouros que seu solo encerra.

No comments:

Post a Comment