domingo, 25 de março de 2012

O HOMEM SÓ

Marcílio Reinaux

Sou um homem só
Quem nem um batel
Esquecido à beira mar.
Quem nem um ninho de
Ave de arribação,
Depois do seu
último vôo.

Um homem só,
Na linha do horizonte
Como um ponto distante,
Que nem árvore
Seca na caatinga, ou
Como o rochedo no
Alto do monte.

Homem só,
Me pus na vida
Que nem andarilho, nos
Ermos caminhos da vida,
Quem nem o vento
Frio em noite
Invernal.

Só.
Na luta, do mundo
Na busca, infinda.
No ato amargo
Do fato, passado.
Na ida, fugida
Na vida, sofrida
No pós, poeira...
Só.



Nenhum comentário:

Postar um comentário